Redações Prontas – Redações Prontas Gratis para Copiar




Redações Prontas Gratis para Copiar

redacoes prontas Redações Prontas   Redações Prontas Gratis para Copiar

Uma boa redação sempre vem acompanha de um bom estudo, sobre o tema que foi dado, podendo ser valiosa perante avaliações, concursos, provas e exames.

Na intenção de ajudar alunos e pessoas que gostariam de uma redação pronta, criaram um site que se chama Redação pronta, nele você encontra as melhores redações prontas gratis de jornais e revistas de todo País.



Tags: , , , , , , , ,


Se você gostou clique +1 e Compartilhe no Facebook e Twitter!





Compartilhar





Receba grátis no seu e-mail Redações Prontas – Redações Prontas Gratis para Copiar e mais dicas!
Digite seu email:

125 Comentários

  1. c@rol@yne disse:

    gente eu ñ sei como eu vou fazer á redação com o tema…
    “Eu, e os 300 anos do ciclo de ouro em minas” sem comtar que se eu ñ fazer vou tirar 000000 de certa então precisso fazer uma redação
    tchaw
    estou esperando suas ajudas

  2. Stéfany disse:

    Preciso de uma redação com o tema”Eu minha cidade e os 300 anos do ciclo ouro em Minas” e eu não tenho nem noção por onde começar preciso de ajuda si não vou tirar zerooo….

  3. gabrielle disse:

    oi gente por favor me ajudem eu encontrar uma redaçao eu nao vou conseguir mais q saco eu nao sei criar redaçao eu vor tirar um zero

  4. pamela disse:

    preciso muito sobre uma redaçao dos 300 ciclo do ouro em minas
    e falar principalmente sobre ouro preto,mariana,sabara e patos de minas

  5. Bella Xavier disse:

    Preciso de uma redaçao sobre o tema
    eu,minha cidade e os 300 anos do ciclo do ouro em minas.

  6. lucas disse:

    oi preciso muito de uma redaçao pronta e narrativa concluida pq eu nao acho em nem um lugar por favor eu preciso muito

  7. Maria Luiza disse:

    oii preciso de uma redaçao sobre o tema:eu,minha cidade e os 300 anos do ciclo do ouro em miinas. Obrigada

  8. Amanda disse:

    ola, eu preciso de uma dissertação com o tema acessibilidade e deficientes fisicos, eu não consigo nada. Onrigada

  9. Ana Caroline disse:

    oiiee preciso de uma redaçao sobre o tema:eu,minha cidade eos 300 anos do ciclo do ouro em miinas

  10. Mauricio disse:

    Gostaria de uma redacao sobre o tema Honrar compromissos. Obrigado.

  11. taciane disse:

    boa noite pessoal sera que alguem pode me ajudar a fazer uma redação sobre alimentos e saude ?
    bjokas !

  12. Baby disse:

    Preciso de uma redação,cujo o tema é: Eu,minha cidade e os 300 anos do ciclo do Ouro em Minas

  13. let disse:

    Olá preciso de uma redação urgente com uma descrição de paisagem.

  14. Ana disse:

    olá preciso urgente de uma redação pronta com o tema:o papel da informática no processo da globalização.
    desde já agradeço.
    um grande abraço.

  15. karen disse:

    oi preciso urgente de uma redaçao narrativa que tenha a conclusão seguinte ” nem tudo no mundo é do jeito q queremos”
    obrigada… bjux

  16. andré disse:

    Quando o Mundo Sustentável é Notícia

    Num mundo em constante mudança e transformação, o bom jornalismo talvez seja aquele que consegue acompanhar a evolução dos fatos sem descuidar do contexto em que eles se resolvem. Neste momento em que experimentamos uma crise ambiental sem precedentes na história – aquecimento global, escassez de recursos hídricos, desertificação do solo, destruição acelerada da biodiversidade, crescimento desordenado das cidades, consumismo desenfreado, produção monumental de lixo, transgenia irresponsável – o estudante de jornalismo que sai da universidade depois de quatro anos de curso sem um pacote mínimo de informações na área ambiental, não está apto a cumprir sua função social. O mundo mudou, e as universidades devem acompanhar essa transformação, particularmente na área ambiental. Para os já formados, é preciso oferecer cursos de capacitação que ajudem o profissional de imprensa a se situar melhor num cenário que inspira inúmeros cuidados na elaboração das pautas e na definição do que é notícia.

    Não basta denunciar o que está errado. Isso é importante, mas não é o suficiente. O que se espera da mídia neste início de século XXI é a capacidade de sinalizar rumo e perspectiva, mostrar quais seriam as soluções inteligentes e sustentáveis para velhos problemas inerentes a um modelo de desenvolvimento “ecologicamente predatório, socialmente perverso e politicamente injusto”. No dia-a-dia de uma redação, não se economiza espaço para mostrar tragédias ambientais como grandes vazamentos de óleo, queimadas, enchentes, deslizamentos de terra, furacões e outros problemas do gênero. São assuntos “quentes”, segundo o jargão jornalístico, que rendem textos calóricos e imagens espetaculares. Mas deveríamos aguçar os sentidos para perceber a dimensão da notícia num gênero de cobertura que ganha cada vez mais força e prestígio: o que funciona, o que dá certo, o que poderia inspirar novas idéias e atitudes na direção da sustentabilidade.

    O primeiro desafio é aplicar aquilo que pensadores como Edgar Morin e Fritjof Capra denominam de “visão sistêmica” ao exercício jornalístico. Ao reconstruir a realidade numa perspectiva invariavelmente reducionista e fragmentada, o jornalismo perde de vista a percepção do universo tal qual os físicos quânticos o descrevem: uma rede de fenômenos interligados que interagem e se comunicam o tempo todo. Enxergar sistemicamente significa perceber essa teia infinita de relações que emprestam sentido aos temas ambientais, e que poderiam oxigenar a notícia com abordagens menos imediatistas e mais abrangentes. Nesse sentido, pouco importa se uma redação tem ou não uma Editoria de Meio Ambiente. Se todas as editorias entenderem a visão sistêmica como uma preciosa ferramenta de trabalho para qualificar a pauta e redimensionar o conceito de notícia, a tão propalada “transversalidade dos assuntos ambientais” será fato no universo jornalístico.

    No livro “Mundo Sustentável – Abrindo espaço na mídia para um planeta em transformação” (Editora Globo, 2005), procurei demonstrar a urgência de uma abordagem mais agressiva da mídia na direção de alguns assuntos ambientais que ainda são entendidos como marginais ou periféricos. O livro reúne artigos e reportagens veiculados no rádio, na televisão, na internet e na mídia impressa, divididos em oito capítulos temáticos – consumo consciente, lixo, meio ambiente nas cidades, água, biodiversidade, energia, questões globais e jornalismo ambiental – que são 5 arrematados com comentários de especialistas convidados. A edição exibe um vasto repertório de experiências inteligentes e sustentáveis no uso dos recursos naturais que, embora ignorados pela grande mídia, merecem visibilidade. “Há uma mudança em curso no mundo que precisa ser melhor diagnosticada e compreendida. Ela é típica dos períodos de transição, em que novos valores desmontam lenta e progressivamente o que havia antes. Desta vez, entretanto, há um agravante: em nenhum outro momento da história a necessidade da mudança foi tão urgente” – é o que afirmo na apresentação do livro na condição de testemunha.

    A informação não pode tudo, mas pode muito. Se já detemos um estoque de conhecimento, de ciência e de tecnologia capaz de promover a grande virada na direção de um mundo sustentável, e isso ainda não acontece no ritmo desejado, poderíamos atribuir essa letargia a duas possíveis causas: desinformação ou má-fé. Estou convencido de que a primeira alternativa prevalece sobre a segunda, ou seja, há uma enorme energia potencial de mudança sobre a qual a faísca da informação que remete à sustentabilidade pode desencadear uma benfazeja explosão.

    Não se mudam hábitos e comportamentos por decreto ou medida provisória. Há um tempo de decantação das idéias até que estas amadureçam na forma de atitude. Mas o senso de urgência que deveria inspirar essa mudança é prejudicado pela vida artificial que levamos nas cidades – onde vivem 81% dos brasileiros -, como denunciou certa vez o saudoso José Lutzemberger ao afirmar que “o homem moderno, predominantemente urbano, nasce e se cria em ambiente artificial. Suas percepções e seus sentimentos são moldados por circunstâncias que nada se assemelham àquelas que nos deram origem e em que evoluímos. O homem moderno tornou-se incapaz de sentir profundamente o belo, não se incomoda com a feiúra, com o lixo e com a agressão à paisagem. Falta-lhe a ânsia de alcançar a harmonia em torno de si. Não somente o ambiente em que vivemos nos predispõe à alienação diante do mundo vivo. Toda filosofia de vida, nossa ética convencional, encontra- se em oposição às leis da vida”. Salve Lutz!

    Não cabe mais invocar as gerações futuras como o fiel da balança na mudança de paradigma que se faz necessária e urgente. O timing acelerado das mudanças climáticas, agravadas pela queima progressiva de petróleo, gás e carvão – seguramente o maior problema ambiental do século XXI -, reduziu assustadoramente a escala de tempo das tragédias de origem antrópica.

    Somos nós, aqui e agora, que devemos assumir a responsabilidade histórica pelo novo rumo. Não haverá missionários, salvadores da pátria, lideranças arrebatadoras capazes de mobilizar tantos, tão rapidamente, num intervalo de tempo tão curto. A complexidade das negociações no âmbito da ONU e o vagar das políticas públicas governamentais sufocam as ações mais abrangentes e visíveis. Ainda assim, há um movimento em curso. É importante dar-lhe força e sentido. No que diz respeito à imprensa, quando a informação fomenta a atitude que transforma a realidade, cumpre-se uma das funções mais nobres do jornalismo: mudar o mundo. Transformá-lo num lugar melhor e mais justo, um mundo sustentável.

    “Há uma mudança em curso no mundo que precisa ser melhor diagnosticada e compreendida. Ela é típica dos períodos de transição, em que novos valores desmontam lenta e progressivamente o que havia antes. Desta vez, entretanto, há um agravante: em nenhum outro momento da história a necessidade da mudança foi tão urgente.”

    André Trigueiro é jornalista com Pós-graduação em Gestão Ambiental pela COPPE/UFRJ, Professor e criador do curso de Jornalismo Ambiental da PUC/RJ, autor do livro “Mundo Sustentável – Abrindo Espaço na Mídia para um Planeta em transformação” (Editora Globo, 2005), Coordenador Editorial e um dos autores do livro “Meio Ambiente no século XXI”, (Editora Sextante, 2003).

  17. redação sobre violência

  18. laryssa disse:

    presciso de uma redação narrativa que fale sobre o soquestro d um menino prodigio …Presciso o mais breve possivel

  19. fabio... disse:

    olla galera quem quiser me adc ai
    msn fabinho18@yahoo.com
    orkut:fabio$killer$@yahoo.com

  20. Ana Carolina disse:

    preciso de uma redação sobre ética.

  21. angelica disse:

    preciso de 2 redaçoes uma sobre reciclagem e a outra um mundo sustentavel

  22. laisa disse:

    preciso ddeuma redação sobre por um mundo sustentavel

  23. jhonatan disse:

    precisso de uma fabula que a moral fala de grao em grao a galinha enche o papo

  24. ellen disse:

    preciso de uma redaçao sobre a coleta seletiva

  25. eu precizo de uma redaçao para a escola.tema onça pintada

  26. Fábio disse:

    kkkkkkkkkkk’ ciencias contaVeis?? por que não quiZ enJenharÍa SiviU?

  27. Eduardo disse:

    quiz faser o curso (ciências contaveis) …..quis com “z”, fazer com “s” e contáVeis? pô como vc passou no verstibular, einh? deve ser uma particularzinha dessas com concorrência 1 pra 1 né? lamentável…

  28. fernanda disse:

    eu preciso de uma redaçao para a faculdade
    eu tenho que falar porque o sonho de faser faculdade
    porque que eu escolhi faser la ….?
    e dizer o motivo que quiz faser o curso (ciências contaveis)

  29. fernanda disse:

    eu preciso seuma redaçao para a faculdade
    eu tenho que falar porque o sonho de faser faculdade
    porque que eu escolhi faser la ….?
    e dizer o motivo que quiz faser o curso (ciências contaveis)

  30. junior disse:

    preciso muito apreder a criar redaçao , e melhorar minha grafia..

Gostou? Faça um Comentário!

Dicas Diárias © · O seu site de Dicas Online -